sábado, 15 de maio de 2010

O Amor também morre.

Me deixe só no meu canto
Que meu pranto magoa quem vê
Homem grande barbado chorando
Por quem nem chega a merecer

Se eu dissesse tudo que sinto
E não minto quando exagero
Essa dor de perda aumenta
Em tua presença eu me desespero

Eu jurei a um tempo atras
E varias coisas usei como exemplo
Comparado ao que sinto a você
Romeu e Julieta não chega a um por cento

Era amor de romper o peito
Cegar os olhos, matar de saudade
Napoleão e Josefina, César e Cleópatra
Juntos não davam nem a metade

Mas tudo que nasce morre
E o que começa um dia acaba
Não há rota que fuja ao fracasso
O que o homem escreve o tempo apaga

quinta-feira, 6 de maio de 2010

A flor encantada







Breve Tirinha do Boneco sem rosto®

Eu nunca quis inserir imagens no meu blog, tipo, imagens para poemas, isso acaba com a magia do imaginário, mas comecei a fazer umas tirinhas do boneco sem rosto®, que pra quem não sabe ja protagonizou dois vídeo-clipes: Anatomia - Banda Maldita e Pensa em mim - Darwin, e agora vem protagonizar algumas historinhas, muitas delas reais e que aconteceram comigo, breve também pretendo fazer o video da musica "Faroeste" que é minha, pus no orkut a primeira tirinha, mas a imagem não saiu la muito bem, meu pc não tem scaner, no outro pc que uso o coreldraw4 foi descoberto com falso e ta sem uso, não sei como vou fazer, mas vou. ;)