terça-feira, 11 de março de 2014

Soneto de sofrimento.


Eis-me aqui parado agora
Chorando e sem ter perdão
Solitário entre os destroços
Do meu próprio coração

Que em cada palpitada
Chama o teu nome, em vão
Tum: Meu bem! Tum: Meu bem!
Mas meu bem não ouve não!

Arranca essa dor de mim
Vade retro sentimento!
Que não quero sofrer mais

Dessa dor que não tem fim
Tanta emoção ruim
Dai-me um tempo, dai-me paz!

Ciço .Poeta - 11-03-2014 22:51

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Marginalização



Diante dos olhos da sociedade
A nossa idade não importa a ninguém
Somos reféns das grandes cidades
Os muros e grades ainda vão mais além

O que vem do sistema do medo e opressão
Transforma em ladrão quem nasceu roubado
Marcado e afastado dos planos de paz
O que a gente faz é mais que esperado

De um lado a justiça atua com a mídia
E nessa novela eu sou sempre o vilão
Mas não mostram a cara do herói fardado
Que rouba do estado e se diz cidadão

Estou tão cansado de apanhar calado
De ser maltratado e sempre excluído
Sou filho bastardo dessa pátria amada
Que sempre idolatra o real inimigo


Ciço .Poeta - 2013

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Caetés Era Uma Tribo



Eu sou dos Caetés
Onde gente come gente
Seja crente ou descrente
Descontente ou feliz
Eu mesmo também já fiz
Como os ancestrais fizeram
Eles todos também eram
Canibais, iguais a mim

Disseram que nós comemos
Um tal de bispo Sardinha
Que com sua ladainha
Virou banqueta da tribo
E só por esse o motivo
Todos nós fomos caçados
Caetés viraram alvos
Do império português
Que julgou em suas leis
Que nós eramos culpados

Vejam só que desgraçados
Invadiram nossas terras
Trazendo pragas e guerras
Seus padres e seus soldados
O que fiz não foi errado
Pela lei da minha tribo
Comer um padre cozido
Nunca foi nenhum pecado.


Ciço .Poeta 14/10/2013

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Love



A vida perde o sentido
Toda vez que o seu sorriso
Se desfaz por culpa minha
Pois você, minha rainha
Matriarca da paixão
Faz bater meu coração
E faz parar, também
Ele bate, quando vens
Para de bater, se tu se vais
Se estiveres, sinto paz
Se te fores, já não sinto
É verdade, eu não minto
Que a vida ganha sentindo
Toda vez que o seu sorriso
Se encontra com o meu
Faz crescer minha paixão
Dona do meu coração
Rainha do meu querer
Me diga o que você quer
Que é o que eu quero ser.

Ciço .Poeta 02/10/2013

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Musica: Rotina




Ele acorda as 6 da manhã
Toma um café
Da um beijo na mulher
E vai trabalhar

Na ida ele já pensa na volta
Na folga, no feriado
Pensando em descansar

Quer passear
Quer ver o mar
Quer mergulhar
Quer relaxar

Quando começava a sonhar
Já chegou na trabalho

É hora de acordar
É hora de acordar
É hora de acordar
É hora de acordar

Acorda do teu sonho
E volta pro teu pesadelo
Que é a rotina
Da tua vida todo dia

Dorme tarde
Acorda cedo
Pra trabalhar
Ganhar dinheiro

Chega o fim do mês
E ele tá desesperado
Não sabe pra onde foi
Todo o seu salario

Vai com a mão ao bolso
Encontra uns trocados
Hoje ele vai pro bar
Pois tá muito estressado

E bebe a noite inteira
Pensando em fazer besteira
Mas lembra da mulher
A sua companheira

Pensando nas promessas
Que ele fez no altar
Volta a consciência

É hora de acordar
É hora de acordar
É hora de acordar
É hora de acordar


Para ver mais videos acesse o canal.
Para ouvir mais musicas acesse http://soundcloud.com/cicopoeta
Curta a pagina da banda no Facebook http://facebook.com/bandatatugoiaba
Para ver as letras das musicas e poesias acesse http://cicopoeta.blogspot.com

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Musica: Coco Do Fumo



Eu vou fumar
Porque eu sou um fumador
Eu vou fumar
Porque eu sou um fumador
Eu vou fumar
Porque eu sou um fumador
E se tu não vai fumar
Pode deixar que eu vou

Eu vou fumar
E num é da conta de ninguém
Se isso não lhe convém
Por favor faste pra lá
Se eu trabalho
E eu compro meu cigarro
A fumaça que eu faço
Só eu posso reclamar

Eu vou fumar
Porque eu sou um fumador
Eu vou fumar
Porque eu sou um fumador
Eu vou fumar
Porque eu sou um fumador
E se tu não vai fumar
Pode deixar que eu vou

Desde pequeno
Eu ja bebo, fumo e jogo
Faço isso por que gosto
E paro a hora que eu quiser
Se é errado
Isso sou eu quem decido
Além disso sou perdido
Por cangote de mulher

Eu vou fumar
Porque eu sou um fumador
Eu vou fumar
Porque eu sou um fumador
Eu vou fumar
Porque eu sou um fumador
E se tu não vai fumar
Pode deixar que eu vou


Ciço .Poeta 21/09/2013

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Tá difícil de entender?




Será que eu vou ver
Outra vez o sol nascer?
Ou viver só por viver
Para o seu próprio prazer?

Já pedi para morrer
Na vontade de esquecer
Que vivi só por você
Que não quer mais nem saber

E se for só por dizer
Fiz questão de enaltecer
Todo esse seu poder

Mas pra não prevalecer
Vim aqui lhe esclarecer
Por favor, vá se fudê.

(espero não me arrepender)

Ciço .Poeta

sexta-feira, 21 de junho de 2013



Puta que pariu!
Quem pôs fogo no Brasil?!
Gritaram lá de longe
Só que pouca gente ouviu
Quem tava ali mais perto
Começou a comentar
Puta que pariu!
Dilma vai renunciar!
Meu irmão que porra essa?
Teve um cara que falou
É mentira, é mentira!
Isso ele inventou!
Todo mundo vai pro chão!
Alguém se abraçava em mim
Me chamando de irmão
Me dizendo pra não ir
Quando eu virei pra olhar
Não consegui reconhecer
Parecia Bob Marley
E eu tentava entender
Porque aquele cara
Me dizia pra ficar
Eu tentei me soltar dele
E não consegui soltar
Eu já ia dando um grito
Quando mãe veio me acordar.


Ciço .Poeta, 21-06-2013

domingo, 16 de junho de 2013

Democracia



De tudo que tenho visto
Nesse mudo, atualmente
Muito pouco me é surpresa
Pois desde que eu sou gente
Sabe-se que o ser humano
Só comete atos insanos
Quando lhe é conveniente

Eu digo atos insanos
Coisas fora do normal
Que é lutar por uma causa
Que é ser mais emocional
Que é dar a cara tapa
E negar toda essa farsa
Que é dita no jornal

Que edita essa mentira
Que a gente só quer bagunça
Que nossa luta é sem causa
E a nossa marcha censura
E tratam feito bandido
Esse povo tão sofrido
Que o seu direito busca

Chamam de democracia
Nosso modelo de estado
Mas quando o povo sai na rua
Manda o batalhão armado
Pra dar tiro em qualquer um
E sem ter receio algum
Diz que o povo está errado

Errado é ficar calado
Diante da situação
Errado é estar no poder
Esse bando de ladrão
Errado é ter que lutar
Pra poderem escutar
A voz da população

Diante de tudo isso
Me sinto bem satisfeito
De ver o povo lutar
Em nome de seus direitos
Se teve que ser assim
Vamos até o fim
Que é pra ver se dá jeito.


Ciço Poeta, 16-06-2013, 04:00.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Musica: Repente do Estradar





Os caprichos do dono do destino
Me fizeram chegar até aqui
Eu só vou se ele disser pode ir
Eu só paro se ele mandar parar
E só teve uma vez que me perdi
Mas cantando eu pude me encontrar

Nessa estrada cercada de beleza
De certeza é fácil se perder
Encantar-se com fama e riqueza
No desejo de gloria e poder
Certamente o que e fácil se desfaz
Eu só quero o que fiz por merecer

Minha sina e cantar pelas estradas
Sem parada pra não me acomodar
Poesia pra mim é feito água
Que no rio sempre corre para o mar
Se a corrente é contida na represa
Se acumula até se arrebentar

O caminho que nós todos trilhamos
Paralelos e a um só destino
Caminhando os grandes e os pequeninos
Cada qual na sua própria estrada
Muitos podem até não dar em nada
Enquanto outros vão e chegam lá


Ciço .Poeta